Osmar Carvalho | E se a gente parasse de aplicar os termos ‘feio’ e ‘bonito’ a seres humanos?


“Em relação à humanidade, os termos ‘bonito’ e ‘feio’ são excludentes e cruéis. O bonito é a negação do feio, independente de suas qualidades humanas.”


Por Osmar Carvalho. Publicado em 17/11/2018.

WhatsApp Image 2018-11-17 at 12.01.21
Osmar Carvalho. Foto própria editada.

E se a gente parasse de aplicar os termos “feio” e “bonito” a seres humanos, já que são tão subjetivos e muitas vezes não é o que a pessoa pensa de si mesma? Além disso, são muitas vezes excludentes e cruéis.

Tenho três sugestões, no lugar.

Primeira: A gente poderia dizer simplesmente: “Nossa, você é tão humano/humana”. Seria um pouco melhor, mas ainda seria uma postura agressiva, invasiva, já que parte de nós a definição e a mesma é taxativa.

A segunda me parece um pouco mais adequada, pois trata-se de uma pergunta aberta, o que já abre possibilidades de a própria pessoa se definir: “Como você se define, se percebe?” Ainda assim, também seria agressiva, pois uma pergunta é uma exigência de alguma resposta, uma negação e proibição do silêncio do outro.

A terceira seria a mais apropriada, nem definição nem inquisição do outro, mas apenas uma sugestão, deixando a pessoa livre para se apresentar ou não: “Se quiser, pode se definir, mas não se sinta obrigada”.

Para além das sugestões, as ideias mostram que existem graus de invasão e violação da percepção do outro, que passam desapercebidos, pela falsa sensação e aparência de sutileza. Quando dizemos que o outro é bonito, parece que estamos sendo corteses ou românticos, quando na verdade estamos sendo deterministas e egoístas, apenas dizendo algo que agrada a nós mesmos, pois não sabemos se é aquilo que a pessoa pensa. Em relação ao outro, é um tipo de constrangimento, já que ninguém se sente bonito todo dia, todo momento. É também uma forma de pressão: e se a pessoa não se sentir bonita amanhã, ou à tarde, ou à noite?

Em relação à humanidade, os termos são excludentes e cruéis. O bonito é a negação do feio, independente de suas qualidades humanas. Também é cruel, quando tem a necessidade de excluir. Como em expressões racistas do tipo “é bonita, mas o cabelo é duro”, ou “é inteligente, mas é negro”. E a gordofobia, que insiste em anular o outro pelo peso? Buscamos eufemismos para excluir o que não seria bonito: “gordinha não, gostosa”, “fofinha”. E tem a magrofobia também, do outro lado.

São tolerâncias, e a tolerância tem seus problemas, como o não reconhecimento social das diferenças e dos diferentes.  Tolerar não é reconhecer. Precisamos buscar algo que vá além da tolerância e do afeto nas relações humanas. Ronaldo Martins Gomes, em seu artigo “Tolerância ou reconhecimento social“, publicado pelo Ativismo Protestante, aponta um caminho hegeliano:

“Tolerar, suportar, consentir, ainda manifesta uma forma de não horizontalização nas relações entre seres humanos.

Para Hegel, conforme notou Honneth (2003), a eticidade era partilhada intersubjetivamente nas relações sociais a partir de três esferas de reconhecimento: afeto, direito e estima social.

São estas três dimensões que correspondem a processos intersubjetivos decorrentes de três diferentes modos de se reconhecer o outro como um seu igual nas esferas afetiva, jurídica e social.

Assim, a estima social é aquela que define a condição de exclusão social, pois o reconhecimento social pode não existir mesmo que as duas condições de reconhecimento, afetivo e jurídico, tenham sido satisfeitas.


Sobre o autor desse artigo

Osmar Carvalho é engenheiro e colaborador do Ativismo Protestante em São Paulo.

Acompanhe nossa Coluna Opinião!

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s