O que é igreja?


Por Marcos Aurélio dos Santos*


“Ser Igreja nos basta. Igreja são pessoas que se reúnem em torno de Cristo e o seguem como discípulos. É o povo de Deus reunido em missão, É uma igreja que se move ao encontro do próximo, entranhada de misericórdia e de amor fraterno.”

Catedral da Sé – SP. Foto: Ativismo Protestante.

Entre os evangélicos há vários conceitos sobre o que é igreja. Alguns são absurdos e não se alinham com o Evangelho. Há muita confusão na definição e significado do termo, e muitos crentes aprenderam de forma errada o seu significado. Não vou aqui usar termos técnicos ou uma pesquisa sobre a origem da palavra como de costume, mas iremos tentar responder à luz do Evangelho de Jesus de Nazaré, que sem sombra de dúvidas é a base para entendermos o que é igreja. Então, podemos começar refletindo sobre o que a igreja não é.

Igreja não é um local com endereço fixo e estrutura física. É comum entre os evangélicos dizer: “Hoje é domingo! Vamos à igreja!”; ou “Onde está Maria?” – e respondemos: “Foi à igreja!”. Está em nossa cultura a ideia de que igreja é o espaço com paredes e portas onde as pessoas se reúnem para prestar culto, estudar a bíblia, orar e etc. Este conceito chega a ser alienado, por não compreender a igreja como um organismo vivo, um povo em movimento, que caminha com o Cristo. Não há como encontrar vida em em estruturas ou objetos inanimados. Não pode haver movimento, entusiasmo, dedicação e serviço entendendo a igreja de forma equivocada como um lugar de encontros de domingo. É uma definição reducionista do que seria a igreja.

Igreja não é uma instituição. A instituição não foi uma invenção de Deus, antes das instituições já havia a igreja de Jesus. Os homens a criaram. Constantino, imperador Romano que governou entre os anos de 306 a 337 d.C., tornou o cristianismo religião oficial do Império. Desse período em diante, a igreja cristã tornou-se uma instituição ligada ao estado de Roma. Hoje há milhares de igrejas institucionalizadas no Brasil e no mundo; umas tem prestado um bom serviço à igreja de Jesus, outras não. É ai que está a diferença. As instituições têm sua importância para a igreja, foram criadas para servir à igreja, especialmente no que se refere à organização e legalização diante das leis do país. Contudo, quando estas se corrompem e se aliam aos sistemas de dominação e opressão, passam a ser um desserviço para o evangelho e para a igreja do Nazareno. Não são poucas as instituições que lamentavelmente traíram o evangelho de Jesus se aliando ao sistema neoliberal-capitalista-religioso.

Igreja não é um templo. Quando falamos em igreja-templo automaticamente devemos pensar em duas coisas: sagrado e profano. Muitos evangélicos deixaram de ser igreja para serem adoradores do “templo sagrado”. Nessa perspectiva, muitos têm se esforçado para investir e adorar o “santo templo”, em detrimento do serviço de amor às pessoas. Investe-se rios de dinheiro em construções de templos ociosos, poltronas de luxo e ar condicionado, onde não se move um dedo para acolher o pobre; aliás, trazê-los para dentro do templo é, muitas vezes, “profanação”, pois pobreza é sinal de pecado, para muitos. Não é preciso fazer muito esforço nas leituras dos Evangelhos para afirmar que Jesus nunca pediu um templo, muito menos uma adoração ao mesmo. Jesus não era um fiel religioso frequentador do templo, as pessoas sempre o encontravam entre os pobres, no meio do povo, entre os excluídos. Raramente , quando estava no templo, fazia duras críticas ao sistema opressor de sua época. Não partilhou das injustiças do templo, que vivia em coluio com o Império de Roma. Jesus não profanou as Escrituras.

Igreja não é uma denominação. É natural também entre os crentes perguntar: “de que igreja você é”? – e nós respondemos: “Sou batista”; outro: “Sou presbiteriano”; outro: “Sou assembleiano”; etc. No Brasil existem milhares de denominações, muitas delas, fruto de divisões causadas por disputa de poder, divergências sobre doutrinas e outras questões semelhantes. Lamentável. As denominações em geral têm ramificações diferentes, em sua maioria plantadas por missionários vindos da Europa e dos EUA. Em sua maioria as frentes missionárias trouxeram para o Brasil o chamado “Evangelho cultura”, sem levar em conta a contextualização do evangelho de Jesus ante os problemas reais de desigualdade e pobreza na América Latina – como também o foi no Brasil. Também Foi o tempo do chamado “Evangelho colonizador”, que ainda permeia as igrejas. Essa definição não se alinha com o evangelho, pois para a maioria dos seus adeptos igreja é sinônimo de placa denominacional onde há uma ênfase radical na valorização da doutrina, cultura importada, centralização e ensinamentos dos fundadores e pensadores de cada denominação, em detrimento de uma igreja comunitária e fraterna atuando juntas como corpo de Cristo no mundo.

Igreja não é uma empresa. Esta é mais uma das distorções na definição do que é igreja. Para muitos, igreja é uma organização que se reúne em nome de Cristo, que por meio da pregação e de rituais de sacrifício consegue ser uma igreja próspera financeiramente, com gestão eficaz e um bom sistema de organização de investimento financeiro, que alcançou o sucesso, portanto é uma “igreja abençoada”. Quando seus membros estão prosperando nas finanças, a igreja está bem estruturada, com boas reservas de dinheiro em caixa; para estes, essa é a igreja de Jesus. Não é difícil perceber na metodologia dessas “igrejas-empresa” a lógica de mercado empresarial. Metas, valorização e venda dos produtos nas prateleiras do mercado religioso, investimento em infra estrutura, palestras sobre motivação pessoal, culto dos empresários e a barganha em nome de Deus. Isto não é igreja. Esse modelo empresarial dentro da igreja de Jesus deve-se atribuir ao sistema capitalista-neoliberal trazido pelas igrejas dos EUA, nos primeiros anos de evangelismo no Brasil e tem seu ápice com a chegada das igrejas neopentecostais na década de 80.

Ser Igreja nos basta. Igreja são pessoas que se reúnem em torno de Cristo e o seguem como discípulos. É o povo de Deus reunido em missão, É uma igreja que se move ao encontro do próximo, entranhada de misericórdia e de amor fraterno. A igreja de Jesus não vive para si, mas para os outros em comunidade; deve ser serva dos pobres, pois aquele que a comprou com sangue precioso serviu até o fim. Ser igreja é ser do caminho trilhado por Cristo: devemos caminhar com Jesus e com os que ele amou, ou seja, os pobres. A igreja deve ser itinerante, se estamos confinados nos templos, não somos igreja de Jesus. A igreja de Jesus é viva, verdeira e cheia de compaixão, não se dobra diante da injustiça, é acolhedora, é inclusiva. Longe de ser uma instituição organizacional, ou uma empresa no mercado capitalista, a igreja de Jesus deve demonstrar o amor de Deus ao mundo, unidos em um só corpo, de maneira ecumênica, para a glória de nosso Senhor Jesus Cristo.


Sobre o autor desse artigo

*Marcos Aurélio dos Santos é Teólogo, facilitador da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito (FEED) no Rio Grande do Norte e Coordenador do Espaço Comunitário Pé no Chão. Escreve como colunista do Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos (CEBI) e do Ativismo Protestante.

Acompanhe nossa Coluna Teologia!

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s